quinta-feira, 13 de agosto de 2015

O ser e o nunca ser mesmo sendo o que não se é

Há quem é pai, há quem é pai duas vezes, há quem, mesmo sendo pai, jamais o será, assim como há quem, nunca sendo, o seja.

Assim como há quem é filho, e há os que jamais o serão, mesmo tendo um pai. 

Há também quem é filho daqueles que jamais foram pais, mesmo sendo pais de fato.

E há os que jamais serão filhos, mesmo tendo pais, seja qual natureza for.

Nunca ser algo, mesmo sendo o que não se é, se torna comum.

Sem a germinação da semente da paternidade ou da filiação, jamais se será pai ou filho, ainda que se gere um, ainda que se seja gerado.

Ser pai está nas entranhas da humanidade daqueles que geram no coração, mesmo jamais tendo gerado na carne, e há filhos que acolhem os pais, mesmo jamais conhecendo quem os tenha gerado de fato.

Quem quer ser pai, e quem quer ser filho?

Deixa ‘eu’ ser, hoje, teu pai? Deixa ‘eu’ ser, hoje, teu filho?





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos pelo comentário.