sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

FORA ASSIM




FORA ASSIM
Fora assim, e você secou o meu mar
Com o brilho dos teus olhos
Sobre as ondas a flutuar

E ali ficavas, assim: sorrindo
Eu me perdia nos teus olhos
E a tarde já a adentrar

O meu mar quase já não existia
Pelo sorriso nos teus olhos,
Pela beleza a levitar

Teus cabelos longos sobre as ondas
Negros, como noite em vendaval
E eu... só... ali a te olhar

Teu sorriso me deixava trôpego
De longe os negros olhos sem fim
E o mar começava dourar

Pelos céus! Não olhar eu tentava
Teus olhos na dormência do dia...
E teu sorriso secava o mar

E dormitava o Sol nas ondas
Com a beleza dos teus olhos...
E os olhos secavam o mar

E fingia, eu, não dar-te atenção
Aos, no ulular, teus olhos,
A teu sorriso a me chamar

E se perdia no crepúsculo, o dia
E o mar todo, na viração
E nos olhos negros sem par

Perdido e seco no oceano
E teus olhos me enredavam
Eras Sereia a enfeitiçar

Já noite, tu me fitavas ainda...
Fora o abismo dos teus olhos ...
E tu secaras o meu mar

Fora assim, e você secou o meu mar
Com o brilho dos teus olhos
Sobre as ondas a flutuar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos pelo comentário.