Pular para o conteúdo principal

O pretório excelso


ALEXANDRE GARCIA
24 de Abril de 2012
O pretório excelso


Quem acompanhou o bate-boca entre dois ministros do Supremo(o pretório excelso), deve estar boquiaberto e triste. O Supremo era a última esperança de poder sem escândalo. Pois o presidente da corte recém substituído dá uma entrevista enterrando a isenção de supremo magistrado para criticar a presidente, por não ter posto no orçamento um aumento para o Judiciário; criticar o Conselho Nacional de Justiça, que quer pegar "bandidos que se escondem atrás da toga"; criticar até um senador, Francisco Dornelles, por "estar a serviço dos banqueiros"; por fim e, principalmente, criticar seu colega ministro Joaquim Barbosa, que chamoui de "inseguro e de temperamento difícil".

A resposta veio pesada. Joaquim Barbosa, também em entrevista, chamou seu colega ex-presidente de "ridículo", "brega", "caipira", "desleal", "tirano", "pequeno", "amargurado" e mais: disse que Peluso, como presidente, manipulava os resultados de julgamento. Em vésperas do julgamento dos 36 réus do mensalão, a lavagem pública de roupa suja no pretório excelso parece praga de quem quer ver o circo pegar fogo e ficar sem força moral para impedir as pressões dos que querem absolver os acusados de um dos maiores escândalos da República e, com certeza, o maior entre todos os do governo Lula.

Domingo fui asistir a um concerto da Orquestra Filarmônica de Brasília, cujo tema era: "Popularizando a Filarmônica". Fui lá pensando que iriam popularizar obras de Mozart, Bizet, Verdi... mas o repertório era de musiquinhas paupérrimas de butiquim. Entenderam mal o que seja popularizar. Pois no Supremo, nos últimos anos, se nota a intenção de levar a corte para perto do povo. Os ministros concedem entrevistas, conversam animadamente nos supermercados, bares e cafés que freqüentam, dão votos com versos ou anedotas. E agora batem-boca como se estivessem discutindo num bar, depois de uma partida de futebol. Parece que também falta entender a popularização.

Era só o que faltava. Porque os dois outros poderes já estão abalados. A presidente está em récorde de aprovação, mas seu governo não; uma série de ministros caiu por denúncias de ilegalidades. Fala-se muito e os resultados não aparecem. Nem o PAC, nem a saúde pública, nem a educação, nem a segurança, nem a dita "infraestrutura". O legislativo tampouco parece estar a serviço da Nação; não sai de lá o que realmente é necessário, como, por exemplo, baixar drasticamente a tal "idade penal" em que os que matam e assaltam com 14 anos são inimputáveis até os 18. Ainda agora - imaginem - a comissão de juristas que apresenta sugestões de reforma do Código Penal, aumenta as penas contra policiais acusados de abuso de autoridade e diminui a pena do furto primário. Quer dizer, não corremos o risco de melhorar a segurança, na medida em que ameaçamos a polícia e fazemos um convite para quem quiser começar no crime - ao tempo em que o tribunal que vai julgar os réus da elite política se perde em bate-boca que nada tem a ver com um pretório excelso.
Alexandre Garcia é jornalista em Brasília e escreve semanalmente em Só Notícias 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CAPACIDADE CIVIL ALTERADA PELA LEI 13.146/15

O artigo 114, da Lei 13146/15, publicada no dia 7 de julho, revoga algumas causas de incapacidade civil, que eram previstas no artigo 3º, do Código Civil, e entrará em vigor 180 dias após a sua publicação.
Estes incisos consideravam como incapazes os  que, por enfermidade ou deficiência mental, não tinham o necessário discernimento para a prática de atos jurídicos, mesmo por causa transitória, e não podiam exprimir sua vontade.
Toda norma que estabelece a capacidade civil é criada com fundamento em critério biológico ou psicológico, quer dizer, idade e capacidade mental, questão de ‘política’ social convertida em norma jurídica, quer dizer, o legislador considera uma circunstância social e legisla.
Mas uma vez que certo critério social já revela que a sociedade já não considera certas pessoas em determinadas condições como incapazes, o legislador cumpre seu papel de adequar as normas (ou cria a norma para adequar a sociedade?).
A capacidade, que é elemento da personalidade, é a “medida j…

Militar é incompetente demais!!! Militares, nunca mais!

Conforme pedido do autor do texto, retifico a autoria do mesmo. Logo abaixo do texto deixo o e-mail solicitando a retificação e reivindicando a autoria. Ainda assim, vale a pena ler o escrito.
Militar é incompetente demais!!! Militares, nunca mais!
Anselmo Cordeiro (Net 7 Mares)

Ainda bem que hoje tudo é diferente, temos um PT sério,
honesto e progressista.
Cresce o grupo que não quer mais ver militares no poder,
pelas razões abaixo.

Militar no poder, nunca mais.
Só fizeram lambanças.
Tiraram o cenário bucólico que havia na Via Dutra de uma só pista,
que foi duplicada e recebeu melhorias;
acabaram aí com as emoções das curvas mal construídas e os solavancos estimulantes provocados pelos buracos na pista.

Não satisfeitos, fizeram o mesmo com a rodovia Rio-Juiz de Fora.

Com a construção da ponte Rio-Niterói, acabaram com o sonho de crescimento da pequena Magé, cidade nos fundos da Baía de Guanabara, que era caminho obrigatório dos que iam de um lado ao outro e não quer…

A LINGUAGEM QUE CORRÓI COMO CANCER

EXMO"Procura apresentar-te diante de Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade.
Mas evita as conversas vãs e profanas; porque os que delas usam passarão a impiedade ainda maior, e as suas palavras alastrarão como gangrena; entre os quais estão Himeneu e Fileto, que se desviaram da verdade, dizendo que a ressurreição é já passada, e assim pervertem a fé a alguns.

Todavia o firme fundamento de Deus permanece, tendo este selo: O Senhor conhece os seus, e: Aparte-se da injustiça todo aquele que profere o nome do Senhor.

Escrevendo a Timóteo pela segunda vez, Paulo deixa claro que a língua é instrumento mortal.

Tiago ficou célebre entre nós pelo seu magnífico texto sobre o poder infernal e corrosivo da língua—neste site a epístola de Tiago tem sua re-leitura feita, procure—, mas quase nunca se dá atenção ao que Paulo falou à respeito da linguagem e da língua.

Ele diz que a língua tem o poder de subvert…